Conheça Lidiene Nascimento: ela descobriu na Embassy como pode ser fluente sem ter que estudar pra sempre.

Lidiene Nascimento é aluna Embassy do nível intermediário, B4B, que após concluir sua graduação em 2014 como Bacharel em Administração decidiu ingressar em uma MBA em Gestão de Recursos Humanos e acabou se apaixonando.

Seu primeiro emprego foi como montadora em 2002 na Siemens Eletroeletrônica, onde trabalhou por 10 anos. Empresa aonde ela atribui grande parte do seu desenvolvimento profissional. Lá ela passou por vários setores, de montador até assistente de RH.

Em maio de 2012 foi para a PST Eletronics como Analista de RH Jr. seu novo desafio era trabalhar no subsistema de Administração de Pessoal, “aprendi sobre leis trabalhistas e consegui ser mais técnica e analítica”.

Em outubro de 2017, iniciou na Rosneft Brasil, atuando como Analista de Recursos responsável por todos os subsistemas de RH de forma generalista.

Ela só não imaginava o desafio que viria junto com esse “pacote”. Ao contrário das outras empresas, o seu novo job exigia um inglês fluente ou pelo menos que soubesse se comunicar razoavelmente. Em todas as suas experiências anteriores, não tinham lhe exigido até então  a utilização de um outro idioma como parte de sua  performance profissional.

Na nova empresa Lidiene tem a oportunidade de ter contato com documentos de políticas e procedimentos da empresa, falar com colaboradores expatriados que são os estrangeiros, trocar mensagens via e-mails e participar de reuniões, palestras e até assistir vídeos corporativos, tudo isso em inglês.

Mas Lidiene já vinha tendo essa necessidade há 7 anos atrás, iniciando uma trajetória com o desenvolvimento do idioma em 2010,sentia dificuldade em acompanhar a turma “eu desistia, somando todo o período sem contar com as pausas, acredito que uns cinco anos que vinha tentando desenvolver o idioma, estudei em várias instituições como: Euro Idiomas, IEL , Aliance até chegar aqui na Embassy em 2018.

Com metodologia totalmente diferente, seu maior desafio enquanto estudante na Embassy, foi conseguir apresentar a cada semestre o PD (Project Development).

Lidi conta queno início sentia muita vergonha, depois fui melhorando com as orientações dos professores e neste semestre consegui a nota máxima, para mim um orgulho, sensação de dever cumprido, pois sinto que posso sair da caixinha que havia me colocado de ser um eterno estudante”.

Por que Lidiene escolheu a Embassy?

Eu estou na Embassy há 2 anos e escolhi está instituição pela metodologia, qualidade do ensino e garantia inclusive em contrato que ao término do curso, eu teria o mínimo exigido pelo mercado de trabalho e claro alinhado com meu comprometimento no aprendizado.

A instituição vem colaborando com meu desenvolvimento, quando aplica atividades em sala de aula simulando reuniões, debates, feedbacks ao término de cada módulo e indicações de aplicativos, vídeos e leituras como atividades extra classe.

Durante este período de desenvolvimento do idioma já obtive oportunidades de participar de três entrevistas de emprego e fiquei muito feliz de conseguir entender e responder as perguntas que me foram propostas, já participei de reuniões somente como ouvinte, a experiência foi ótima, pois consegui entender como posso utilizar as expressões de início da reunião, as interrupções e as delegações das atividades.

Eu tenho um sonho que é falar fluentemente o idioma “Inglês” e assim me tornar um profissional especialista e completo na minha área de atuação e conseguir conquistar todos os meus objetivos profissionais e poder contribuir com minha alta performance na empresa a qual estiver inserida. Meu objetivo é daqui a 5 anos viajar para fora do país.

O que mais me motivou a não desistir foi sempre a determinação, não é fácil aprender um novo idioma, mas se alinhado com o ensino de alta qualidade e dedicação você consegui e posso garantir que estou conseguindo.

I usually say myself I won’t give up!

Sergiane & INFRAERO: Uma paixão além das fronteiras.

ingles_sergiane_infraero_embassy

Nossa aluna Sergiane Costa da Silva Mar conta como foi sua experiência com o inglês na Embassy e como o ensino vem mudando sua vida e carreira.

Meu primeiro contato com o inglês foi na minha adolescência através da música. Desde então não parei mais! Logo, senti a necessidade de usar o interesse no idioma ao meu favor e me matriculei no meu primeiro curso de inglês quando ainda estava na faculdade.

Infelizmente não consegui conciliar as duas coisas e tive que priorizar minha formação superior. Depois estudei em outras escolas de idiomas, porém não consegui concluir por mudar muito de cidades. Tentei também estudar por um período em uma instituição que oferecia aulas EAD, mas não me adaptei ao método.

Atualmente trabalho como Analista Superior na INFRAERO  e  Minha trajetória na empresa  começou com o programa de estágio onde tive contato direto e me encantei com o universo aeroportuário.

Finalizado o período de 02 anos no estágio, prestei concurso público para a INFRAERO e após quase 03 anos fui convocada para assumir minha vaga. Nunca esquecerei aquele dia, foi bem marcante retornar a trabalhar na INFRAERO, agora como empregada, e bem no dia internacional das mulheres.

Tenho o sentimento de profunda gratidão pela minha empresa, que me proporcionou a possibilidade de atuar em outras áreas e Aeroportos de outros estados como Palmas/TO e Vitória/ES. 

Em minha trajetória de vida  tive a grata oportunidade de viajar para alguns destinos internacionais como: Miami, Orlando e Clearwater na Flórida, Las Vegas em Nevada e Phoenix, Tucson, Flagstaff, Sedona e Grand Canyon no Arizona. Foram experiências maravilhosas, onde tive a oportunidade de praticar parte do meu conhecimento no inglês para me expressar em situações na entrevista para admissão no país, hotéis, restaurantes e pontos turísticos. 

No âmbito profissional tive a oportunidade de participar de uma reunião com alguns membros americanos, onde pude assessorar meu gestor com algumas traduções para agilizar o atendimento de situações referentes a nossa área. Por duas vezes já atendi telefonemas internacionais onde consegui orientar o cliente e direcionar ao setor competente.

Ter domínio da língua inglesa, foi essencial para que eu pudesse desenvolver os diálogos necessários quando se fez oportuno, e sou grata a escola de inglês para adultos Embassy, onde estudo há pouco mais de 01 ano. Lembro que logo quando retornei a Manaus, vim com a ideia fixa de voltar a estudar inglês.

A Embassy foi uma das minhas primeiras opções e logo se tornou a minha escolha por ter uma estrutura organizada e aconchegante, ótimos materiais didáticos e método de ensino, professores altamente qualificados e funcionários bastante atenciosos e prestativos. A Embassy possui um grande diferencial no método de ensino e de avaliação dos seus alunos. Me sinto desafiada a entregar o meu melhor no idioma e isso me faz evoluir naturalmente.

Um dos primeiros métodos que me chamou muito atenção foi o PD – Project Development. É muito satisfatório poder apresentar, de uma forma bem diferente, um tema da sua escolha utilizando o seu aprendizado no idioma. Outro método bastante interessante são as Surprise Classes, onde os alunos de todos os níveis podem interagir desenvolvendo o tema proposto.

Busco ser referência em qualidade nos atendimentos prestados aos clientes. Para mim é muito satisfatório ver o meu trabalho tendo reflexo positivo na vida de alguém. Este é o melhor reconhecimento, além de fortalecer a imagem da minha empresa.

Para finalizar eu quero incentivar você que leu minha história, procure dar o seu melhor em tudo o que se proponha a fazer, seja na vida pessoal ou profissional. Cuide da sua saúde física, mental e emocional. Fortaleça sua fé todos os dias. E nunca desista dos seus sonhos, mas também não esqueça: para que você possa alcançá-los, é necessário construir uma base que lhe dê o impulso e o suporte necessário para vivê-los da melhor forma possível.

Jana Silva está há 15 anos sendo promovida. Veja por que.

Jana Cecília Bezerra da Silva,  começou a estudar inglês na rede pública, mas ela conta que não saía do verbo “to be”. Ao contrário das outras crianças, ela não começou fazendo curso de inglês na infância, por questões culturais, os pais não viam como prioridade o estudo de uma segunda língua,  e por mais que tivessem uma visão de que o domínio da língua poderia agregar no currículo dela, na época eles não tinham condições de pagar para que a filha tivesse acesso a esse tipo de ensino, priorizando assim outros cursos.

Jana Silva, começou a trabalhar  na COIMPA há 15 anos atrás como analista de importação e exportação.  Ela sente que contribui com a empresa e tem galgado novos lugares. Tanto que recentemente se tornou  Coordenadora de Importação e Exportação da COIMPA,se sente honrada em fazer parte de uma multinacional tão reconhecida. 

Mas toda essa conquista não veio de graça, a Embassy entrou na sua vida quando no auge da sua carreira, lhe faltou a fluência no idioma. A empresa vendo o imenso talento de Jana, investiu no seu conhecimento mais tudo dependia dela. Seu sucesso  no idioma estava atrelado a essa nova promoção que ela recebeu.  

Com  apenas 2 anos na Embassy,  Jana conta que “ a convite da empresa, que selecionou apenas uns colaboradores para investir no ensino, tive uma oportunidade de aperfeiçoar meu estudo. A Embassy tem colaborado muito com o meu aprendizado, eu sempre digo para os meus amigos como é rico! A escola consegue como nenhuma outra entregar um inglês prático, aquele da realidade do trabalho.” 

 Ela finaliza avaliando  seu desejo de conquistar ainda mais e o quanto contribui para formação de novos jovens no mercado de trabalho. “ Eu tive oportunidades incríveis e há 2 anos atrás eu fui promovida a coordenadora.  O que me deixa mais satisfeita com meu trabalho, é que eles abrem portas para que eu possa mostrar meu trabalho e assim consiga galgar outros  degraus na minha carreira”.

Quanto a sua contribuição ela conta: “vejo minha contribuição na vida de colaboradores jovens. Eu tenho prazer em ensinar o que eu aprendo. Eu já estou na casa dos 40, mais te garanto que procuro manter um espírito jovem, para aprender e me desenvolver como pessoa e profissionalmente, e meu conselho para os jovens é: estude sempre, não fique parado no tempo, não se acomode, estude pra você, pra se sentir bem e está preparado para o que der e vier.”

Texto: Fernanda Souza

Leonardo Rangel tem a missão de empreender e expandir através do idioma.

Leonardo Rangel é Diretor Geral da AlfaPrint em Manaus

De acordo com Kirzner (1979), o empreendedor é aquele que se encontra sempre em estado de alerta, para descobrir e explorar novas oportunidades. Esta capacidade de estar alerta constituir-se-ia a indispensável característica de tais indivíduos. Eles, sempre são  os primeiros a identificar oportunidades lucrativas de negócios.

Leonardo Rangel Lopes, sabe muito bem disso por que vem de uma família de empreendedores criativos e visionários. Em 2006, sua família se uniu para abrir uma empresa de solução em etiquetas e rótulos em impressão, a Alfaprint Derpac.

A empresa paranaense com sede em Curitiba, tem por missão expandir no Brasil.A família resolveu  expandir a atuação do empreendimento para  âmbito nacional em 2017. Para cumprir essa missão, Leonardo tem buscado a alta tecnologia para aquisição os melhores equipamentos e estudaram locais para iniciar essa expansão, o Norte foi um das primeiras regiões a serem escolhidos. Decidiram então abrir uma unidade em Manaus. Rangel,  foi o encarregado das operações na “paris dos trópicos”.

Leonardo coleciona inúmeras experiências de viagens, tem passagem por Peru, Chile, Argentina, Portugal, Barcelona, Itália, Paris, Londres, Canadá, Toronto e New York. Mas diante do crescimento, ele então veio para Manaus, realizar esse plano de expansão e se tornou o Diretor Geral da Unidade. Está em Manaus a 5 anos, depois de passar 1 ano e meio na Irlanda.

Foi em Manaus que o Leonardo encontrou a Embassy com o propósito de ampliar ainda mais suas conexões “vi no estudo da língua  inglesa novas oportunidades de networking e negócios. Na verdade para mim é extremamente prazeroso. A possibilidade de conseguir me comunicar com pessoas do mundo inteiro é algo que me instiga a buscar o conhecimento, além é claro de todas as possibilidades profissionais e pessoais que conhecimento da língua podem proporcionar.”

Mas nem tudo são flores, mesmo sendo uma empresa familiar ele passou por todos os setores da empresa, de vendedor a comprador. Rangel conta que ao chegar em Manaus encontrou toda uma rotina de Leis da Zona Franca diferente, incentivo da Suframa, logística de materiais, desenvolvimento de fornecedores, ” Na época era muito difícil, a logística de Manaus é bem diferente de Curitiba e São Paulo. Hoje eu vejo o potencial enorme que a região tem”.

A maioria dos clientes da Alfaprint em Manaus são multinacionais localizados no Polo Industrial e  eventualmente passam por processos de homologação ou auditoria com estrangeiros. Rangel diz  que sem dúvida não seria possível realizar esses processos sem o conhecimento da língua inglesa. “Acredito que todo esforço realizado seja no aprendizado do idioma ou esforço profissional em si são amplamente recompensados, com a responsabilidade que me foi dada de coordenar 100% a unidade em Manaus, sinto-me reconhecido e valorizado”.

Leonardo recebe muitos diretores de fora do país, que são os principais players do negócio dele, além a manutenção da empresa e o giro depende do idioma. Ele estuda na  Embassy a 6 meses, e conta que escolheu a escola  devido a ótima localização e também  a sua boa estrutura. “ Na escola tenho ótimas oportunidades de praticar continuamente os aprendizados que conquistei, e ter a possibilidade de aprender coisas novas.”

Leonardo, finaliza deixando uma mensagem pra quem chegou até o fim dessa história de sucesso incrível.  “Acredite sempre que você é capaz de realizar grandes feitos, com um passo de cada vez e paciência é possível ir longe.”

Texto: Fernanda Souza